Empréstimos Entre Particulares: Este crédito urgente é sério?

emprestimo entre particulares urgente

Com toda a crise que existiu em Portugal nos últimos tempos tem-se ouvido falar cada vez mais nos empréstimos entre particulares urgentes.

Infelizmente, muitos desses supostos créditos que ajudavam até pessoas com problemas bancários não passavam de uma fraude para conseguir roubar algumas centenas de euros a algumas pessoas desesperadas por dinheiro rápido.

Então, se está a pensar recorrer a esse meio para conseguir dinheiro urgente vamos lhe falar sobre como proceder de maneira legal e segura.

Falamos isso, pois nem todos os créditos entre particulares são fraude, por isso não vemos o porquê de não aproveitar algumas oportunidades existentes no mercado.

Preciso de dinheiro urgente, como recorro aos empréstimos particulares?

credito urgente entre particulares

Uma das maneiras mais simples de procurar esse tipo de oportunidades é através de uma pequena pesquisa online.

Existem sites de classificados, como o OLX, que possuem dezenas de ofertas de Portugueses que pretendem fazer rentabilizar o seu dinheiro através de empréstimos.

Porém, após encontrar a oferta ideal precisa seguir alguns passos para confirmar de que não se trata de uma fraude.

1. Peça um documento com as condições

Nas fraudes mais comuns que existem na Internet, a primeira coisa que lhe pedem é um depósito de segurança. Esse dinheiro será usado (supostamente) para abrir o contrato e para os custos dos processos.

Jamais dê esse dinheiro sem pedir os documentos com as condições do crédito.

Nesse documento terá de estar o montante financiado, a taxa de juro, o prazo de pagamento e todas as condições referencies a este crédito.

Para além disso, será necessário estar assinado por quem empresa e por quem recebe o dinheiro emprestado, juntamente com os seus dados de identificação (Cartão de Cidadão, NIF, Morada e por aí fora).

Porém, ainda não é tudo.

2. Leve o documento a um notário

Muitas pessoas associam os empréstimos entre particulares Portugueses ilegais, mas garanto-lhe que não são ou pelo menos não deviam ser.

Então, após ter o seu documento assinado por ambas as partes deve levá-lo a um notário certificado.

Esse processo servirá para salvaguardar ambas as partes, por isso se o particular que lhe empresta o dinheiro não quiser este processo pode desconfiar.

3. A transferência do dinheiro em questão

Agora que tem tudo assinado e ambas as partes estão salvaguardadas, já pode ter acesso ao dinheiro que pediu emprestado.

O “empresário” em questão deve transferi-lo para a sua conta após confirmar que está tudo de acordo com os termos estipulados pelo mesmo.

Aqui existem alguns esquemas em que são pedidos valores monetários baixos ou elevados para pagar os custos do empréstimo antes de realizarem a transferência.

Porém, nunca dê nenhum dinheiro antes. Em vez disso, afirme que ele pode ser descontado do valor que lhe for emprestado.

Imagine que pede um valor de 20.000€ e os custos do processo são 900€, peça para receber apenas os 19.100€, desse modo estará sempre seguro/a.

As taxas de juro dos empréstimos entre particulares

Uma das cosias que pode contar é com uma taxa de juro considerável, mas isso é algo que temos de compreender visto que as garantias que damos nem sempre são as melhores.

As taxas de juro podem variar de 5% até aos 15%. Taxas mais altas que isso podem ser consideradas fraude, mas tudo depende de caso para caso.

Os juros são pagos de acordo com o plano de pagamento estipulado e assinado por ambas as partes, portanto fique ciente que deve ler todas as letras do contrato em questão.

Empréstimos entre particulares com problemas bancários

Um dos maiores motivos dos Portugueses recorrerem a este tipo de ajuda financeira é devido ao facto de terem o nome manchado no Banco de Portugal.

Neste caso, pode conseguir um crédito urgente mesmo nestas condições, aliás, esta é uma das grandes vantagens deste tipo de financiamento.

Porém, tudo vai depender da pessoa que lhe empresta o dinheiro. Isso vai funcionar como as credoras, umas aceitam determinadas condições enquanto outras não.

Então, resta-lhe procurar entidades que aceitem as suas condições e que respeitem todas as regras faladas durante todo este artigo.

Quais os valores que posso pedir emprestados?

Em relação aos valores que pode ou deve pedir, o céu é o limite. Falamos isso pois, tal como nas credoras e instituições normais, podemos pedir aquilo que bem entendermos, desde que tenhamos recursos suficientes para pagar.

Porém, os valores normais são de 2.500€ a 25.000€, pois tratam-se de empréstimos pessoais que servem maioritariamente para “desenrasques” financeiros urgentes.

Uma coisa que deve ter em mente é que quanto maior for o valor, maior é o risco. Isto para ambas as partes, pois nunca se esqueça que tem de pagar sempre o que pede ainda com a junção de juros.

Recomendamos que peça sempre aquilo que é necessário e não mais que isso, caso contrário pode levar a um incumprimento dos valores mensais pagos e a uma situação financeira ainda mais debilitada.

Como identificar particulares sérios?

identificar particulares sérios

Para terminar, queremos dar algumas dicas extra que o/a vão ajudar a conseguir identificar particulares sério e consequentemente os corruptos que apenas o/a querem enganar.

Dê atenção aos seguintes fatores:

  • Evite quem lhe promete taxas de juro abaixo dos 5%;
  • Não negoceie com quem não quer assinar um contrato e levar ele ao notário;
  • Fuja caso lhe peçam algum tipo de valor monetário para custos de processo;
  • Não aceita caso lhe tentem pagar o dinheiro em mão;
  • Não negoceie com pessoas estrangeiras, que tiverem e-mails estranhos ou nomes desconhecidos;
  • Opte por pessoas de confiança, conhecidos ou amigos, evitando assim os esquemas das redes sociais.

Uma regra de ouro que pode utilizar para identificar qualquer tipo de fraude é: Quando parecer bom de mais para ser verdade, é porque é mesmo bom de mais para ser verdade.

O que acontece se eu não pagar o empréstimo?

Aqui tudo vai depender da maneira como fez o contrato. Caso não tenha feito nenhum tipo de contrato nem seguido o processo pela via legal será muito difícil para a pessoa provar que lhe emprestou o dinheiro.

Porém, certamente vai ter um processo contra si, pelo menos caso ela tenha comprovativos de transferências bancárias.

Caso tenha seguido os processos legais, recebido via transferência bancária e assinado um contrato legal será levado/a a tribunal, tal como qualquer outro empréstimo com um banco ou credora.

Portanto, não pense que está isento/a de responsabilidades ao pedir dinheiro emprestado deste modo.

Terá de efetuar os pagamentos normalmente e sempre de acordo com as datas estipuladas, caso contrário pode ter de pagar juros acrescidos e ser processado/a por falta de pagamento.

Existem alternativas aos empréstimos entre particulares?

Fique sabendo que, mesmo tendo o nome manchado no Banco de Portugal, existem alternativas a este modelo de crédito.

Uma das melhores coisas que pode fazer é tentar um crédito consolidado que consiste em juntar todos os seus créditos e dívidas atuais numa só letra.

Trata-se da melhor solução para aquelas pessoas que:

  • Têm dívidas para pagar;
  • Não conseguem suportar as prestações mensais elevadas;
  • Precisam de algum fluxo financeiro rápido;
  • Se querem livrar do endividamento de uma vez por todas.

Para além de ser uma alternativa legal, é ainda uma maneira de obter ajuda financeira de entidades devidamente ceritificadas.

Existem ainda casos de pessoas que conseguiram obter esta ajuda financeira, mesmo tendo o nome manchado no banco de Portugal.


O mundo online pode ser muito perigoso para aquelas pessoas que não saibam fazer uso dele. As promessas de dinheiro rápido e fácil podem-lhe deixar na ilusão, mas nunca tome uma decisão antes de ter 100% a certeza de que não se trata de uma fraude.

Os empréstimos entre particulares são bons para quem precisa de dinheiro urgente, mas nem sempre nos deparamos com Portugueses sérios por detrás do teclado.

Então, nunca deixe de fazer todos os passos necessários para que todo o processo fique registado e comprovado na justiça.